Champagne? Prosecco? Cava? Ou Espumante?

O fim do ano vai se aproximando e mesmo aqueles que não são muito fãs de vinho começam a pensar: qual será a “bebida borbulhante” para o brinde da virada?

Vamos dar nome aos bois! Para cada tipo segue uma sugestão minha. Perdoem a qualidade das fotos, mas são itens da minha própria adega. Com exceção do Cava que não tenho, realmente tendencio pelos franceses, italianos e nacionais.

Espumantes são TODOS os vinhos naturalmente gaseificados em uma segunda fermentação. Este termo é usado para os vinhos “gaseificados” produzidos em qualquer lugar do mundo com qualquer uva (vitis vinifera). Podem ser produzidos por dois métodos distintos Charmat e Champenoise (tradicional). PS: Não confundir com os frisantes.

Uma indicação de ótimo espumante “genérico” (não se enquadra nas definições abaixo) é o Premium Casa Valduga Brut, produzido pelo método tradicional (R$ 45, www.vinhosevinhos.com.br).

 

 

  • MOSCATEL: são os espumantes produzidos com uvas moscatéis (Moscato Branco, principalmente). O moscatel mais conhecido no mundo é o Asti Spumante (DOCG Italiana). No Brasil elaboram-se alguns excelentes Moscatéis. Como são espumantes naturalmente mais doces acompanham bem as sobremesas e frutas. Minha sugestão nacional: Terrasul Moscatel (R$ 17, comprado na própria vinícola na Serra Gaucha)

 

  • CAVA: são os vinhos espumantes produzidos na Espanha pelo método tradicional (champenoise) com uvas da região (Macabeo, Xarello e Parellada). Trata-se de uma marca “made in Spain”. Sugestão tradicional: Freixenet Cordón Negro Brut (R$ 50, www.vinhocracia.com)

 

  • PROSECCO: São espumantes originalmente produzidos na Itália com a cepa glera. Por tratar-se de uma uva “de segunda linha” nunca teve muito sucesso na Itália, já o Brasil foi infestado por rótulos de Prosecco. Sugestão com ressalvas (apesar de trata-se de um bom prosecco acredito que a virada do ano merece algo “mais”): Piera Martellozzo Prosecco (R$ 40, www.wine.com.br)

 

  • CREMANT: são os espumantes franceses produzidos FORA da região de Champagne. Sugestão mais do que merecida, realmente me surpreendi com a qualidade deste espumante rosé (produzido pelo método tradicional): Aimery Sieur D’arques Rose (R$ 55, Adega Tio Sam, Salvador/BA).

 

  • CHAMPAGNE: são os espumantes mais famosos do mundo, carregam a tradição, o peso e o terroir da origem dos vinhos espumantes. Produzidos na região de Champagne na França. Aqui vou ser clichê na sugestão: Moet Chandon Brut Imperial (R$ 190, www.wine.com.br). Deve ser a minha escolhida desde réveillon. 🙂

Importante dizer que um dos grandes espumantes que já experimentei foi o nacional Cave Geisse Nature. Não o tenho na adega mas vou tentar providenciar até o ano novo.

Pra começar 2012 bem! Bons brindes! 🙂

4 ideias sobre “Champagne? Prosecco? Cava? Ou Espumante?

  1. Já sim Huguinho! Um cabernet sauvignon que ninguém botou fé! Ele foi uma boa surpresa. Muuuuuuito aromático. Confesso que o nariz criou expectativas demais, já na boca era um vinho correto. Eu não sei quanto foi, pois a garrafa foi levada para a "roda" por um amigo. 😉

Comentários encerrados.