… um sábado sem Vinho

“O vinho se parece com o homem: nunca se sabe até que ponto se pode apreciar ou desprezar, amar ou odiar, nem quantos atos sublimes ou monstruosos é capaz de realizar. Então, não sejamos mais cruéis com ele do que com nós mesmos, e tratemo-lo como um igual.”

Charles Baudelaire