E no domingo, um Amarone!

20120115-234133.jpg

Eu tenho uma relação de amor e ódio por São Paulo. Na mesma proporção. Nunca morei aqui, mas São Paulo sempre me trouxe aquela sensação de que é bom, mas só de vez em quando… Mas olha, esse domingo tive que abrir mão. Nunca fui tão bem “ciceroneada” como neste domingo.

É até difícil pra mim falar do vinho de hoje (na verdade houve um segundo vinho, que fica pro próximo post) porque quem me conhece sabe: é o meu vinho, meu estilo de vinho. Eu só ouvi: “Tenho um presente pra você. Acho que vai gostar”. De repente me vejo numa livraria, repleta de livros de vinhos e gastronomia, e com um Amarone de presente. Melhor impossível. Coisa de gente que me conhece…

O vinho: Amarone della Valpolicella Clássico Campo Casalin 2006

Bebemos a garrafa sem qualquer acompanhamento, só longas conversas sobre a vida, e sobre vinhos. Embora em vários momentos pensei numa carne suculenta, com muito molho, cozida lentamente, que acompanharia maravilhosamente. Pena que o autor do presente é vegetariano, porque esse vinho pede uma comida encorpada. 😛

O vinho é muito bom. 15,5% de gradação alcoólica, mais alta que os vinhos “normais”, tendo em vista que o Amarone é um vinho elaborados com uvas desidratadas após a colheita, concentrando o açúcar desta forma, e só então vinificadas. São elaborados com as castas italianas corvina, molinara e rodinella. O vinho é extremamente estruturado, de bom corpo, cor granada, taninos mais que presentes e acidez equilibrada. Esse 2006 ainda ficaria uns quatro anos na adega, fácil. É um vinho complexo. Aromas de frutas maduras, presença de baunilha e uma persistência instigante. Um presente que recebi e que só pude agradecer com a felicidade de quem degusta aquilo que melhor lhe representa.

O Amarone é meu vinho. Descobri através um amigo sommelier, que numa bateria de prova me disse com toda a certeza do mundo: “Gabi, esse é o teu vinho. Prove.” Certo ele. Hoje quem me conhece sabe. Quer me deixar perdida numa degustação? Me dê um Amarone. É um vinho que me perturba num grau altíssimo. Não consigo ser imparcial perante ele. É um caso de paixão a primeira vista, e que jamais será superado!

* embora tenha sido presente achei por R$ 227 na www.vinhocracia.com.br

ITÁLIA

4 ideias sobre “E no domingo, um Amarone!

    • Silvestre ele aguarda bem. Eu sou muito suspeita pra falar de Amarones. Adoro inclusive perceber essa agressividade ainda jovem dele.
      Abs,

  1. Pingback: E o riesling que deveria estar aqui? | IN VINO VERITAS!

  2. Pingback: Muita pauta e pouca produção | IN VINO VERITAS!

Comentários encerrados.