“Poderia ser francês”


Após passar pela Austrália, e degustar dos seus shiraz, e quase três semanas após aterrizar novamente por terras neozelandesas (aka Aotearoa), volto ao blog.

Apesar de não ser mais principiante na Nova Zelândia, ainda estou meio que estarrecida por uma certa overdose de sauvignon blanc neozelandês. Ai meu Deus, tanto frescor!! 🙂 Desculpem os franceses mas os melhores do mundo de fato andam por estas terras aqui.

De certa forma encontro-me cada vez mais apaixonada por esse mundo do vinho, de como videiras de uvas francesas vieram parar, e igualmente se apaixonar, por estes países da Oceania e demostrar tão distinta expressão. Os pinot da Nova Zelândia são capítulo à parte.

Ouvi de um inglês numa degustação de syrah (prefiro o nome francês da casta) australianos em Hunter Valley: “Poderia ser francês!“. Não sei qual memória gustativa ele teve na hora, se pensou num Châteauneuf com aquele syrah no blend… Enfim! Fato é que nossas memórias gustativas interferem completamente nas nossas novas experiências meio que a balizar o que seria bom e o que seria ruim. Por vezes de maneira positiva, no sentido de agregar experiência, outras vezes nos podando de experiências distintas. 

Uma experiência “do gosto” realmente interessante foi o vinho “tipo Porto” à base de syrah: ruby e tawny. Efetivamente gosto muito de vinhos do Porto e fui à degustação bastante incrédula, até mesmo porque já havia provado uma tentativa de Porto na África do Sul que de fato era bem…. bem ruim! Na Austrália meu coração se abriu à um Porto, não “portista”. 🙂

Na Nova Zelândia, e novamente na Austrália, provas e degustações estão por vir. Como diz um novo amigo francês, que  largou a vida de empresário pra viajar, e como eu também está em “trânsito” por essas terras maoris: uma vida só vale ser vivida se for com paixão!

É por essas e outras que entendo um pouco da relação dos franceses e seus vinhos…

Cheers! Aos grandes vinhos made in Oceania. 😉

Antiguas Reservas Cousiño Macul 1993

20130817-202613.jpg

Da visita à Cousiño Macul teve origem o rótulo que somente aparece hoje.

Em meio à beleza gélida da Santiago pela qual me apaixonei quando lá estive pela primeira vez em 2008, tive o approach com este vinho que me pareceu no mínimo interessante.

Confesso que não esperava encontrar comercialmente uma safra tão antiga em uma bodega do novo mundo como a Cousiño Macul, que produz esse rótulo há mais de 80 anos. Num tempo de instantaneidade, safras mais antigas só existem nas adegas de enófilos pacientes, em reservas privadas da vinícola, ou em sites de leilão. Hoje o consumo é quase que total “para imediato”.

É uma outra proposta vínica degustar um vinho com 20 anos de idade, o tempo neste caso faz um sentido diferente, não se trata de busca do auge, ou da expressão máxima do vinho. A maior significância é longevidade. Poucos acreditam na longevidade dos vinhos chilenos, que tem mercado obviamente focado nos vinhos prontos pra beber, muita extração, fruta e “maciez elegante” ao ser posto no mercado. Bons chilenos teriam auge em no máximo 10 anos. Diferentemente dos grandes clássicos que com 10 anos começam a ficar bons. Ah, os Barolos!!! Me faz lembrar o excelente documentário Mondovino e sua romântica discussão sobre o desenvolvimento do mercado do vinho, abrindo mão da tradição em favor da produção “massificada”, “enlatada” e “parkerizada“.

“Nem tão ao céu, nem tão ao mar” diria eu. Que nesta discussão vivo me contradizendo, pois ora me defino ansiosa e incapaz de guardar garrafas por anos a fio, mas me vejo tão apegada a velha moda, a essência romântica do vinho, bebida viva, surpreendente por natureza. Cada lugar, cada safra, cada estilo, um vinho diferente.

Ao abrir essa garrafa de exatamente 20 anos atrás, onde provavelmente a vinícola era mais apegada ao estilo bordalês, foi inevitável pensar no que teria sido aquele ano, provavelmente uma boa safra (safra chilena de ano ímpar), mas especialmente o que de lá pra cá definiu minha vida. Se naqueles idos de 1993 eu sequer imaginava que seria uma apaixonada pelos vinhos, neste 2013 repenso o caráter do mesmo no meu contexto. E como será que a safra 2013 deste mesmo rótulo, muito presente no mercado brasileiro, se comportaria em 2033?

O vinho: Antiguas Reservas Cousiño Macul 1993

A rolha deste varietal de cabernet sauvignon demonstrava alguma deteriorizacão mas sem chegar a ter havido vazamento. Em taça a linda evolução de cor, um granada com franco halo de evolução. Já sem intensidade de cor, bastante translúcido, típico do envelhecimento em garrafa. Aromaticamente tímido, e não evoluiu no decorrer da degustação, mereceria ter sido decantado horas antes. 🙁 Em boca excelente persistência, boa acidez, taninos elegantes porém contraditoriamente muito vivos. Maciez não define esse vinho que teria como perfeito paralelo a palavra evolução.

O passar dos dias, dos anos, a espera incansável em garrafa, nos brindou com a possibilidade desta degustação. A paciência daquele que o produziu e guardou nos fez poder experimentar a evolução da provável e inquietante rusticidade desse vinho no ano da sua safra. O tempo que vai aparando ativamente as arestas, mas que não pode ser demasiadamente longo sob pena de nos entregar um vinho já morto. “Nem tão ao céu, nem tão ao mar…”

* US 70, na Cousiño Macul, Santiago

CHILE

O “pulo do gato” de Robert Parker e sua “parkerização”

Falar de Robert Parker no ambiente dos vinhos é chover no molhado. Quem nunca ouviu falar do nobre senhor americano que tem seguro para as narinas e o palato?

Pois bem, esse senhor (eu não saberia dizer exatamente porque) ganhou uma notoreidade tão sem tamanho ao ponto de “reger” de maneira indireta a produção do que chamamos hoje “vinhos do Novo Mundo”. Tudo isto num contexto “pós Julgamento de Paris”, que colocou os EUA numa posição de player no mundo dos vinhos. Uma legião de produtores elaborando seus vinhos para agradar o gosto pessoal (isso mesmo, P-E-S-S-O-A-L) do famoso crítico e render boas vendas. Em tempos de literatura, e críticas, raras o consumidor buscava uma referência didática antes de comprar, e essa referência eram as notas de Parker, devidamente divulgadas.

Mas, oi? Por que me refiro a Parker no passado se tantas lojas ainda hoje fazem referências às notas dele para angariar vendas destes vinhos? Eu ainda hoje não entendo como notas de um único avaliador podem pesar mais do que notas de concursos sérios e sistemáticos, com avaliação de inúmeros críticos e avaliadores de vinho, justamente para evitar o efeito “GOSTO PESSOAL” nas availações. Mas enfim… Fato é que Parker não veio sozinho. Sempre junto dele está uma figura com o nome não tão massificado, mas que por coincidência ou não é um dos enólogos mais conhecidos no mundo. Não por sua maestria de trabalho mas porque todos os vinhos elaborados por ele recebem boas notas de Parker… Dizem que até água ele transforma em vinho! 😛

Aí a gente imagina aquele ~pan demônio~. Todas as vinícolas ensandecidas querendo a fantástica “consultoria” do enólogo de ouro: Michel Rolland. Ele assina um bom número de rótulos ao redor do mundo, alguns produtores o tratam como “salvador-da-pátria”. As participações dele no documentário Mondovino são hilárias, pra não dizer ridículas. Um verdadeiro fanfarrão. Ah! E a cereja do bolo: Michel Rolland e Robert Parker são amigos de longa data e fazem questão de divulgar isso.

Parker realmente mudou a forma como se produz vinho no globo. A “parkerizaçao” dos vinhos (leia-se pausterização, leia-se igualização, leia-se padronização) é tema recorrente em rodas de vinhos. Quando vamos nos recuperar dessa padronização tão danosa a um produto onde se pressupõe justamente a diferença? Da fruta, das estações, da vinificação, da cultura local, do terroir!

Não sei porque hoje acordei lembrando dessas “figuras” do mundo do vinho. Acho que foi porque ontem, numa discussão acirrada, mas bem positiva, sobre os problemas do “vinho brasileiro” eu tenha me dado conta do quão dura é a vida do consumidor final. Aquele que vive a desmembrar prateleiras cheias de garrafas de rótulos confusos, o quanto ele compra “o rótulo”, pelo rótulo, pelo label, pela nota de Robert Parker. É neste contexto que aparece o espaço para Parkers e Rollands da vida. É neste contexto que os Mouton Cadet lotam prateleiras sob a estirpe de ~grandes bordeaux de meia tigela~…

A falácia: Mouton Cadet

20120113-095108.jpg

Fonte: wine.com.br

Compartilho um clube de vinhos da wine.com.br, que consiste numa “associação” para recebimento mensal de 2, 4 ou 6 garrafas. Sempre dois rótulos diferentes em cada mês. Acho a idéia bacana para aqueles que querem se familiarizar com a bebida pois cada garrafa sai entre R$ 40 e R$ 50 sendo que todo mês você recebe dois rótulos diferentes pra degustar. Tudo bem que rolam aquelas mega negociações, às vezes de coisas não tão boas, mas no geral a experiência tem sido bem positiva no sentido de ter acesso a bons vinhos, vinhos corretos, a um preço justo.

O meu grande problema foi o clube deste mês de janeiro. Olha, nada contra a Wine mas tudo contra esses rótulos Mouton Cadet. Esses rótulos estão infestados por todo lugar sendo vendidos como “segundo vinho” (imaginem mil aspas) da MoutonRothschild. Não se trata de um segundo vinho, trata-se de um vinho totalmente comercial do grupo do grande chateau de bordeaux, elaborado (por terceiros) com uvas de qualquer vinhedo da região, e somente mesclados e engarrafados pelo grupo. Não entendo porque cargas d’água se criou essa lenda de que ele seria um segundo vinho da MoutonRothschild

A gigantesca MoutonRothschild tem assumido esse caráter bastante comercial, e entendam não sou contra, mas para isso tem carregado mais em ~marketing de ilusão~ do que nos vinhos em si. Colocando garrafas a rodo no mercado e até (vou ser purista agora) desmerecendo a história vinícola da marca. Esses Mouton Cadet do clube são agora “Reserve” e fazem referência às regiões de Bordeaux: Graves e Medoc. Oi?

Não dá pra levar muito a sério rótulos que parecem duvidar da inteligência do consumidor ao dar tanta importância ao label, utilizando-se nao só do peso do nome Baron Philippe de Rothschild como também das regiões de bordeaux, obviamente tentando conferir à garrafa um caráter de vinho TOP de bordeaux quando na verdade trata-se de um bordeaux genérico, desses montes que se produz na Franca, e que são vendidos em supermercados por 5 euros.

Compra quem quer. Mas acredito que bons produtos não necessitam de marketing apelativo. E ao levar em conta o quanto se tem investido em marketing para infestar os lugares com esses rótulos Mouton Cadet, tenho certeza que faremos muito melhor escolhendo rótulos do “novo mundo” neste mesmo patamar de preço. Muito provavelmente serão vinhos BEM superiores.

Mas enfim. Como estes Mouton Cadet já estão pagos, em breve deverão aparecer as avaliações no blog. Ou não…

Bordeaux. Os sempre clássicos Crus…

Eu juro que evitei escrever este post. Mas não deu. Não queria falar de Bordeaux tão cedo no blog, mas convenhamos que é bem difícil deixar passar esses grandes clássicos, e como esta degustação aconteceu em novembro não poderia deixar “virar o ano” sem falar dela. Essa degustação foi organizada pela Adega Tio Sam (Salvador/BA) para a promoção dos rótulos Grand Cru Classé que eles estão importando agora com exclusividade. A degustação foi conduzida por Rafael Puyau de maneira bem didática e contou com a presença de membros da ABS-BA e enófilos.

A classificação oficial dos vinhos de Bordeaux aconteceu em 1855, quando foram classficados 58 châteaus (vinicolas) em 05 crus: Premiers Cru, Deuxièmes Cru, Troisièmes Cru, Quatrièmes Cru e Cinquièmes Cru. Esta lista sofreu pouquissimas alterações de lá pra cá, e hoje conta com 61 châteaus.

Para esta degutação foram quatro rótulos, só faltou um Premier Gran Cru:

  • Deuxième Crus: Château Gruaud Larose 2005 | Saint – Julien (R$ 430,00)
  • Troisième Crus: Château La Lagune 2005 | Haut – Médoc (R$ 590,00)
  • Quatrièmes Crus: Château Prieuré – Lichine 2007 | Margaux (R$ 210,00)
  • Cinquième Crus: Château Lynch-Bages 2007 | Pauillac (R$ 520,00)

Impressionante o padrão dos vinhos. Sejam os aromas, o ataque em boca, a elegância. Todos sofremos para classificá-los em ordem de preferência. A degustação foi bem pensada: pequena variação nas safras (2 rótulos 2005 e 2 rotulos 2007), quatro AOCs distintas, as porcentagens dos cortes variavam pouco dentro do corte bordalês (Merlot, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Petit Verdot). Eu jurava ter adivinhado o vinho com maior participação da Merlot (minha uva preferida, que vai merecer um post só dela), mas errei feio. 😛

Uma ponto que levantei, e que acredito ser uma boa discussão sobre os vinhos de Bordeaux, foi a facilidade no degustar. Infinitamente “mais fáceis” que os Barolos e Brunellos italianos de safras próximas. Muito aromáticos, mesmo sem tanto tempo de taça (apenas um deles sofreu mais) nos lembrou o padrão “Novo Mundo”, que foi de certa forma imposto por Robert Parker. Seriam os classudos Bordeaux se rendendo a “parkerização” na enologia?

Engraçado que no ranking (a degustação foi às cegas) o vinho que teve a última colocação foi justamente o mais caro, foi o que precisou de mais tempo na taça e tinha os taninos menos domados. Certamente deve ser o mais longevo. Mas verdade seja dita, o nível dos vinhos é muito equiparado.

Fato é que degustar bons Bordeaux é ser transferido imediatamente à França. É sentir em cada gole o terroir totalmente distinto de qualquer outro lugar que produza vinhos e que utilizem as proporções do corte bordalês. Não tem jeito: reverência à França e sua história enológica sempre!

Mini Vocabulário do Vinho

20111213-005341.jpgQuem nunca se deparou com um termo relativo ao vinho e que nao fazia idéia do que se tratava?

A proposta do mini vocabulário, fixo no blog, foi definir as expressões mais usadas e poder desta forma ir agregando mais vocábulos no decorrer do blog, e inclusive discutir aqueles termos mais polêmicos.

Entrem e estejam a vontade! 😉

Mini Vocabulário do Blog

 

Vinho Verde. De uva verde?

Quem inventaria de escrever um post, no blog recém criado, sobre os vinhos verdes? Os tristes vinhos verdes, relegados a fama de vinhos simples e sem grandes atrativos. Verdade. Minha motivação em falar deles parte de um motivo muito parcial. Meu amigo @hugo_serrano, responsável por colocar no ar este blog, me disse um dia: “Gabi, sou muito de vinhos não. Só gosto dos verdes.” No mínimo diferente né? Ótima oportunidade para desmistificar.

Diferentemente do que muitos imaginam, os vinhos verdes nada tem a ver com vinhos feitos com uvas verdes (não amadurecidas).

“Vinho verde” na verdade é uma denominação de origem: são produzidos numa região delimitada no noroeste de Portugal, a maior zona vinícola portuguesa. Não se sabe ao certo a origem do nome. Diz-se que é uma referencia a região, sempre verde. A versão menos poética liga o “verde” ao fato das uvas mesmo maduras produzirem vinhos de baixo teor alcoólico, além disso o Vinho Verde não “amadurece” na garrafa.

A denominação “Vinho Verde” foi reconhecida pelo Office Mondial de la Propriete Intellectualle de Genebra e portanto nenhum outro vinho do mundo pode usar essa denominação. Seria até difícil… São vinificados com uvas típicas da região, de baixo teor de açúcar e por isso produzem vinhos pouco alcoólicos. Importante: me refiro exclusivamente aos vinhos verdes secos, ok?

Tintos ou brancos (os brancos se destacam), devem ser degustados gelados e JOVENS, muito jovens, antes mesmo de completar um ano de engarrafado. Esses vinhos por terem alta acidez, serem um pouco gaseificados (em função da segunda fermentação) e baixa graduação alcoólica são bem adequados ao nosso clima e ao bebericar despretensiosamente. Ele desperta o apetite como nenhum outro!

Quando comparamos Portugal com Franca e Italia em especial, podemos dizer que é ainda um pais pouco desenvolvido enologicamente. Ainda se produz artesanalmente e sem tanto controle de produção pelas “Denominações de Origem”, então para não decepcionar vamos as regras básicas:

  • Comprar somente os datados. Os que não fazem referencia a safra podem ser velhos, de prateleira. Vinho verde não envelhece, apenas piora com o passar do tempo.
  • Prefira sempre o branco. De preferencia com as cepas Alvarinho ou Loureiro. Alguns tintos ainda são vinificados com cascas e engaços, dão a impressão de “amarrar a boca”
  • Seco, sempre seco. Vamos deixar pra degustar doces, somente os vinhos verdadeiramente doces, de origem doce, que falaremos em outras oportunidades.
  • Servir gelado, em torno de 6 a 8 graus.

Que tal darmos mais espaço aos verdes? Os bons não decepcionam. 😉

20111206-222507.jpg

Filmes!!

Bons filmes independem da temática, certo? Pois é, no caso dos vinhos não é diferente. Mesmo não sendo dramas de Almodovar, que eu amo, estes três filmes que indico são realmente muito bons!

Não seria exagero nenhum dizer que Sideways levou às adegas muitos dos que o assistiram. E não só isso: Sideways foi responsável por uma mudança drástica
no distrito de San Luis Obispo na Califórnia/EUA. Onde antes do filme não havia nada, de repente triplicou-se a produção de Pinot Noir e tornou-se uma das mais importantes áreas de enoturismo dos EUA. Não necessariamente pelos “bons vinhos” :P.

Pra mim três filmes cujo tema é o vinho, se destacam:

O Julgamento de Paris (2009): baseado na historia real do grande evento, em 1976, que mudou a forma como se via o vinho, e que abriu as portas do “Novo Mundo” para um mercado na época ainda restrito aos produtores do “Velho Mundo”. Impressionante perceber como uma degustação às cegas derrubou Chateaus franceses e projetou vinícolas californianas ao padrão dos grandes produtores. Foi a partir do julgamento de paris que os antigos produtores perceberam que havia sim concorrentes a altura, terroirs alternativos. Foi o resultado e a repercussão deste evento que tirou os produtores clássicos da inércia cômoda de que grandes vinhos só se produziam no eixo França-Itália.

Mondovino (2005): documentário espetacular sobre o negócio do vinho. Acredito ser exatamente o contraponto ao ocorrido no Julgamento de Paris. Interessante perceber o quanto se perdeu do “romantismo” na produção de vinhos para atender as “demandas do mercado”. O filme mostra a todo momento, a diferença entre os grandes produtores versus os pequenos, que ainda fazem deste oficio algo de esmero, muita paixão e paciência. Se discorre sobre o quanto da pressa em colocar as garrafas à venda mudou o mercado, o quanto a opinião de críticos (especialmente Robert Parker) determinou o padrão de “vinho bom” e tirou um tanto da diversidade de algumas vinícolas. Tais vinícolas transformaram seus rótulos em uma padronagem: para receber boas notas de tais críticos.

Sideways (2004): esse filme, de ficção, todos deveriam assistir, mesmo sem gostar muito da bebida. É um drama que se passa entre vinhedos e taças de vinhos que deixam o expectador numa vontade enorme de também degustar. O filme, além do crescimento que trouxe à região onde foi filmado, incrementou muito o consumo de Pinot Noir nos EUA, mas como nem tudo são flores, também relegou a queridinha Merlot a um status injusto, o que fez a venda de vinhos com esta cepa despencassem nos EUA. Mas a chave de ouro, sutil na verdade, é justamente o paradoxo do protagonista (que é a contradição em pessoa) que, ao mesmo tempo que diz odiar Merlot, tem como grande jóia da sua adega pessoal um Chateau Cheval, cujo corte bordalês inclui a Merlot. 😀

Nada como abrir uma garrafa de vinhos pra assistir estes filmes…