Rosé Luiz Argenta 2011

Sendo este o vinho da harmonização com sopinha do ultimo post, aproveitei enquanto cozinhava para degustar somente o vinho e perceber suas nuances.

Comprei esta garrafa na propria vinicola, na cidade de Flores da Cunha/RS. A visita a vinicola já valeria a pena só pela construção em si. Engenheira mode on. Encrustrada em rocha, a cave é belíssima realmente. Vinhos bem feitos, e até algumas surpresas: um “amarone” brasileiro estaria sendo “concebido” por lá? Vamos aguardar… Inclusive, na avaliação nacional dos vinhos deste ano (safra 2011) o Merlot Luiz Argenta ficou entre os 16 melhores vinhos.

Esse é o rosé “amostrado”, corte de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot e Syrah. Tenho que confessar que a garrafa me chamou muito a atenção. Afinal o design também conta quando lembramos das garrafas padronizadas que dominam o mercado. Mostra uma preocupação extra. 🙂 O enologo da vinicola, Edegar Scortegagna, quando foi falar da vinificação frisou também o tempo de permanência das cascas para a obtenção da cor pretendida. Realmente a cor do vinho é rosada e não salmão como muitos rosés.

Mas vamos ao que realmente interessa. O vinho é bom? Muito aromático. Aroma de morango e também frutas cítricas, um pouco de flores também. Acidez maravilhosa, denunciando a pouca idade do vinho, mas especialmente mostrando a que veio: um rosé jovem, com frescor, sem firulas e que acompanharia muito bem os famosos frutos do mar mas também carnes menos condimentadas, grelhadas.

Vou falar a verdade, pra mim esse rosé tem algo bem especial: mostra que aqui no Brasil temos sim rosés de VERDADE. Sem essa necessidade de produzir vinhos roses doces e “maquiados” de cor-de-rosa sob o falso pretexto de que são vinhos “menos sérios”. E isso tem a ver com a qualificação do consumidor, além do visivel desenvolvimento das vinícolas da Serra Gaucha. Acredito que estamos num bom caminho!

* R$ 27 (www.luizargenta.com.br)

BRASIL

Harmonização na Dieta

Hoje foi dia de dieta. Fim do ano chegando, é preciso segurar as “calorias” para chegar em 2012 apresentável. 😛

Vida difícil, ainda mais sendo mulher e enófila. Dieta sim, mas sem jamais deixar o vinho de lado!

Minha harmonização tinha tudo pra dar errado, mas eu gosto mesmo é de arriscar. Queria beber um tinto. E pronto. Mas a dieta pedia uma sopinha, caprichada, mas de legumes: aipo, cenoura, tomates, cebola… Ai meu Deus! Como harmonizar? O único toque de carne foi um caldinho (de verdade mesmo!) que tinha guardado em forminhas de gelo no congelador. Caprichei no alho e na pimenta para dar um pouco mais de corpo à sopinha.

Acabei cedendo à pressão interna da sommeliere dentro de mim e abri mão do
tinto em favor de um rose. Seria menos transgressor.

A pedida foi o bom rosé da Vinícola Luiz Argenta, um corte de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot e Syrah. Diria que é um rose bem “amostrado”, corte bem suntuoso para um rosé, não? 🙂

Ao final, a harmonização foi ótima. A sopa ficou deliciosa. Levíssima, mas com a presença marcante das especiarias. Sim! O vinho sobressaiu um pouco à sopa, mas definitivamente não se trata de perda na harmonização. Afinal era exatamente isso que eu buscava: um vinho que “elevasse” uma refeição leve demais para os meus padrões gastronômicos.

Confesso que senti falta do pãozinho com azeite, que sempre casa bem com o vinho. Mas paciência. Tem dias que não dá pra ter tudo…